2 5 3

DIAS PARA O CARNAVAL!

capa tatuape

Carnaval SP 2018: Conheça a estrutura de um desfile

Faltando dois dias para a disputa, conheça a estrutura básica de um desfile do Grupo Especial e torça por sua escola de samba do coração

07/02/2018 Redação Liga SP - Foto: capa tatuape

Para o público que prestigia os desfiles de Carnaval, vale destacar que cada uma das escolas de samba deve seguir fielmente uma estrutura de apresentação ao desfilar. Mostramos aqui como funciona a organização no Grupo Especial.

Tudo começa pela Comissão de Frente, que é o primeiro grupo de componentes (no máximo 15), cuja função é saudar o público e os jurados, apresentar a escola e resumir o enredo.

Em seguida, é a vez do Abre-alas, a primeira alegoria apresentada que segue alinhada ao enredo e que deve evidenciar o símbolo da escola. Recentemente, o abre-alas tem sido repaginado por várias escolas de samba, ganhando proporções ampliadas com os chamados carros acoplados. Vale destacar que faz parte do primeiro setor da escola.

Igualmente determinantes num desfile de Carnaval, os demais setores - segundo, terceiro, quarto e quinto -, intercalam alas, destaques e alegorias. As alas são determinadas de acordo com o enredo e trajam fantasias alinhadas a ele.

A partir do segundo setor, o desfile apresenta o primeiro casal de Mestre-sala e Porta-bandeira, cuja missão é conduzir o pavilhão da escola (bandeira oficial).  É essencial que o casal se apresente de forma harmoniosa, com entrosamento, postura e traje fantasias representativas, pois esse quesito está no regulamento oficial.

A tradicional Ala das Baianas, uma das mais importantes em uma escola de samba, que mesmo não sendo avaliada, é digna de total atenção e é obrigatória. Essa ala representa as antigas baianas quituteiras que abriam suas casas para rodas de samba num tempo em que o ritmo era reprimido no século XX.

A Bateria, outro quesito avaliado, deve acompanhar o canto e conduzir o ritmo do desfile. Também influencia a harmonia musical e a execução do samba de enredo. À frente da bateria, a Madrinha de Bateria, não é uma obrigatoriedade, mas tem integrado todas as escolas de samba. Associa-se a esse quesito o recuo da bateria - espaço deixado pela saída da bateria da passarela -, para que não ocorram os chamados "buracos" que tem sido avaliado e interferem diretamente no quesito Evolução.

Os carros alegóricos, julgados dentro do quesito Alegorias e Adereços, são fundamentais, pois juntamente com as fantasias apresentam visualmente o enredo da escola.

Vale destacar que o desfile termina no quinto setor, onde tem sido comum apresentações do homenageado no enredo e/ou convidados especiais da escola. Em boa parte das escolas, a representativa velha guarda também tem desfilado nesse setor.

Matérias Recomendadas