Divulgação

Estrela do 3° Milênio apresenta nova dupla de intérpretes

Clóvis Pê será voz oficial ao lado de Vaguinho para o Carnaval 2020 da agremiação

22/05/2019 Redação Liga SP - Foto: Divulgação

Há três anos, a escola de samba Estrela do 3° Milênio aposta em dupla de intérpretes e um profissional na direção musical para compor a Ala Musical. A iniciativa tem se tornado tendência nas agremiações cariocas e paulistanas com duplas e até trios de cantores para embalar os desfiles.

A novidade no carro de som para a reestreia da Estrela do 3° Milênio no grupo de Acesso 1 da Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo, será o cantor e compositor carioca Clovis Peçanha de Azevedo, artisticamente conhecido no eixo RJ – SP como Clovis Pê.

Com uma vasta carreira musical na folia do Rio de Janeiro, o cantor também já atuou em São Paulo como voz oficial das coirmãs Mocidade Alegre e Unidos de Vila Maria, agora, ele volta ao cenário musical paulistano ao lado de Vagner Mariano, o Vaguinho, que segue para seu 4° ano, na agremiação da zona sul, empolgando e chamando os milenianos com “O bicho pegou, o coro comeu!”

Com o grito de guerra "É só alegria! Sorria cavaco, sorria!", Clovis Pê vai defender o samba-enredo (ainda não lançado) do tema “No coração da floresta nascem estrelas que brilham no meu carnaval”, de autoria do carnavalesco, Murilo Lobo. “Apostamos nessa nova dupla para o desfile de 2020 para conquistarmos a vaga no Grupo Especial. Apesar de ambos terem uma vasta experiência na avenida, vão atuar juntos pela primeira vez. Acreditamos no sucesso dessa dupla”, afirma Gilberto Rodrigues, carinhosamente chamado de presidente Giba. Nos últimos dois anos, Vaguinho dividiu microfone com Darlan Alves e Serginho do Porto.

“É uma honra retornar ao carnaval de São Paulo defendendo a Estrela do 3° Milênio, nesse lindo projeto em homenagem aos artistas de Parintins e cantar ao lado do Vaguinho, que é um renomado compositor e grande intérprete. Vamos com tudo”, diz Clovis Pê.

Carreira

Em São Paulo, Clovis Pê sagrou-se três vezes campeão pela Mocidade Alegre. Foi bicampeão em 2012, com “Ojuobá - No Céu, os Olhos do Rei... Na Terra, a Morada dos Milagres... No Coração, Um Obá Muito Amado!” e em 2013, com “A sedução me fez provar, me entregar à tentação... Da versão original, qual será o final?. E campeão em 2009, com “Da chama da razão ao palco das emoções... sou máquina, sou vida, sou coração pulsando forte na avenida”. Ao todo trabalhou na escola por cinco anos de 2008 a 2013. Na Unidos de Vila Maria, onde atuou de 2014 a 2017, levou à agremiação de volta ao grupo de elite em 2014 com “Nos meus 60 anos de alegria, sou Vila Maria, e faço a festa resgatando do passado brinquedos e brincadeiras de criança”.


Filho de sambistas, sua mãe porta-bandeira e seu pai mestre-sala, iniciou sua carreira muito cedo e aos 12 anos assinou seu primeiro samba-enredo na Tupy de Brás de Pina, mesma escola em que seus pais ostentavam o pavilhão oficial. Esse foi o primeiro de inúmeras parcerias de sucesso compondo e defendendo samba-enredo até chegar ao time de canto da Estação Primeira de Mangueira e cantar como intérprete oficial ao lado do icônico mestre, Jamelão, em 2000, 2001 e 2003, onde também assinou as obras.

Na Verde e Rosa participou como Ala Musical de 2002, 2004, 2005, 2010 e 2019, além de cantar em grandes agremiações como Caprichosos de Pilares, Grande Rio, São Clemente, Império Serrano, entre outras.