7 7 ,

DIAS PARA O CARNAVAL!

carnavalesco uirapuru da mooca

Ivan Pereira e a responsabilidade de assinar seu primeiro Carnaval

Carnavalesco da Uirapuru da Mooca aceita o desafio e apresentará em 2019 o seu primeiro projeto solo

14/11/2018 Redação Liga SP - Foto: carnavalesco uirapuru da mooca

Com 38 anos, e desses 12 dedicados ao Carnaval de São Paulo, o artista Ivan Pereira da Silva terá a missão em 2019 de assinar o seu primeiro projeto sozinho. Formado em artes cênicas e cenografia pela Faculdade Anhanguera, o profissional chegou aos barracões das escolas paulistas pelas mãos de Anselmo Brito, o atual Carnavalesco da Perola Negra, que ao procurar um cenógrafo conheceu Ivan e desse pequeno projeto nasceu a amizade e na sequência a parceria que mais tarde o tornaria assistente de Anselmo.

Com nenhum conhecimento sobre Carnaval, Ivan antes de entrar no seguimento projetava cenários para espetáculos de teatro e declara que o seu primeiro contato com um barracão foi mágico. “Eu sempre vi o Carnaval pela televisão, sempre imaginei que seria um trabalho rápido e sem muita elaboração. Hoje estou cada dia mais encantado, tem toda a pesquisa, depois a elaboração e a conclusão da avenida, nossa é fantástico. Fora todas as pessoas que se envolvem, é costureira, aderecista, soldador, ferreiro, escultor, pintor... nossa é muita gente, muitos profissionais em prol de um único objetivo”, comemora.

Ainda em fase de adaptação, Ivan descreve que em muitos momentos precisa de alguns conselhos daquele que apelidou de professor. “Confesso que trabalhar sozinho em um Carnaval tem sido desafiador, mas ao mesmo tempo gratificante, fico feliz em ver a confiança que a comunidade e o presidente Sidnei, da Uirapuru da Mooca, está depositando no meu trabalho. Apesar das fases de adaptação, natural em qualquer profissão, eu acho que estou me dando muito bem”, ressalta.

Grato por Anselmo ter lhe apresentado o mundo do Carnaval, o artista revela que nunca teve coragem de aceitar propostas de outras agremiações, justamente por achar que não deveria abandonar o seu mestre. “Assinar o meu primeiro Carnaval foi muito mais uma decisão do Anselmo do que minha, eu precisei ouvi dele, vai, você é um passarinho e precisa voar. Mas confesso, em muitas coisas eu peço a assessoria dele, me sinto mais seguro quando ele me indica o melhor caminho a seguir”, admite.

Quando questionado sobre a expectativa para esse seu primeiro desfile, Ivan Pereira, é convicto. “Eu espero e estou trabalhando para levar a Uirapuru da Mooca para o Grupo de Acesso 1. A escola está investindo em um novo diretor, em uma comunidade comprometida, além de fantasias e alegorias impactantes. Eu só consigo imaginar coisas positivas para o nosso desfile”, reitera.

Como assistente, Ivan tem passagens pela Imperador do Ipiranga, Camisa Verde e Branco e Perola Negra, além de escolas do interior de São Paulo e da baixada santista, e assinala quais as lições que o Carnaval já lhe deu. “Hoje o Carnaval me coloca a prova todos os momentos, trabalhar com dinheiro é fácil, mas trabalhar com a verba reduzida é o “X” da questão. A minha criatividade é colocada à prova todos os dias, preciso criar e recriar, reciclar, reaproveitar e me reinventar em cada fantasia. Materiais que para muitos seria descartado, eu transformo, justamente pela necessidade”, argumenta.

Ciente de que a modernidade deve estar presente nos desfiles das escolas de samba, Ivan também cita que o dinheiro caminha ao lado das novas tecnologias e que infelizmente sem ele em alguns aspectos não é possível. “Eu sou fã de carteirinha do Carnavalesco carioca Paulo Barros, mas confesso que jamais conseguiria colocar toda aquela parafernália que impressiona, enche os olhos do expectador em um desfile. Por isso, para nós resta unir a criatividade com o bom gosto para fazer um trabalho expressivo”, enfatiza.

Desenvolvendo o enredo “Nas profundezas das águas do Rio Amazonas, se esconde o Eldorado Encantado”, o Carnavalesco define como iremos ver a Uirapuru da Mooca na avenida. “Nosso convite é para que o público conheça mais sobre as lendas do Rio Amazonas. Será uma viagem com vários personagens, passando por uma cidade encantada até chegar no Festival de Parintins, todos serão conduzidos por um caboclo ribeirinha que contará essa história”, conclui.

Assinar como Carnavalesco tem sido algo que ainda emociona Ivan, quando indagado sobre o que ele ainda sonho, ele é modesto. “Eu estou ainda em estado de graça, ao me ver desenvolvido sozinho um projeto, tomando decisões, ver pessoas que dependem do meu aval para seguir trabalhando no barracão, sentir nos olhos do Presidente Sidnei a aprovação por algo bem feito, enfim, está sendo uma mistura de sentimentos esse momento, e o meu sonho mais vivo é entregar um bom trabalho na Uirapuru da Mooca e ver esse resultado rendendo frutos para a escola”, finaliza com emoção esse bate papo exclusivo com a Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo!