7 2 ,

DIAS PARA O CARNAVAL!

Igor Cantanhede

Murilo Lobo da arquitetura para a passarela do samba

Arquiteto por formação, o Carnavalesco que hoje defende as cores da Terceiro Milênio já edificou muito ambiente habitado pelo homem

26/09/2018 Redação Liga SP - Foto: Igor Cantanhede

Assim como o enredo que desenvolve neste Carnaval, o Arquiteto por formação e Carnavalesco por paixão, Murilo Lobo teve muita coragem quando decidiu se aventurar pelo Carnaval e abrir mão de uma carreira solida. Mesmo sendo frequentador assíduo dos carnavais de salão, o até então. admirador do seguimento, nunca havia assistido um desfile de escola de samba. Aos 16 anos, ele foi pela primeira vez à Avenida Tiradentes, e foi ali que tudo começou efetivamente.

Sua proximidade com aquele mundo mágico foi na Rosas de Ouro, primeiro como componente, depois chefe de ala, na sequência convidado a participar da comissão julgadora de samba-enredo, e posteriormente parceiro do então Carnavalesco da escola, Jorge Freitas, juntos eles escreveram enredos e aos poucos Murilo se tornou um dos seus assistentes.

Osmar Costa, hoje vice-presidente da Roseira e próprio o Jorge Freitas, atual Carnavalesco da Mancha Verde são os principais responsáveis pela introdução de Murilo no Carnaval, e a eles o artista demostra muito carinho, respeito e gratidão. “Sou muito agradecido ao Osmar, em uma feijoada ele me recebeu, viu meus desenhos e soube entender a minha necessidade em me tornar um profissional do Carnaval, foi claro, é um caminho árduo, mas você não pode desistir se esse é o seu sonho”, relembra.

Murilo, ainda emocionado se recorda que se Osmar não tivesse lhe convidado para essa feijoada, jamais teria conhecido Jorge Freitas. “O Jorge, logo de cara me incentivou, abriu a porta do seu barracão, reconheceu o meu potencial e me impediu de fazer uma faculdade voltada ao Carnaval, queria que eu aprendesse na prática, teve a paciência de me ensinar os principais macetes, a execução de carros, fantasias, esculturas, enfim, o dia-a-dia de como o trabalho funciona de verdade. E depois, ele ainda me indicou para desenvolver um projeto na Unidos do Peruche, escola que pela primeira vez fiz um Carnaval sozinho”, comenta orgulhoso.

Depois de oito anos defendendo as cores da Sociedade Rosas de Ouro, o artista recebe o convite para alçar voos mais altos, e por três anos esteve à frente dos Carnavais da Unidos do Peruche, de lá para a Estrela do Terceiro Milênio, foi mais um desafio que entra em seu segundo ano. “Eu faço desenho de fantasia, crio as alegorias, faço os pilotos, decido todos os materiais que serão usados nas alegorias, participo de reuniões, enfim, eu gosto de estar envolvido com todo o processo, eu acredito demais em compartilhar o conhecimento, sem esquecer da humildade, fundamental no Carnaval”, afirma.

Formado pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, o arquiteto se enche de coragem para revelar a necessidade de se arriscar. “A vida é feita de ciclos, a gente nunca tem que ter medo de recomeçar, tem que investir todo dia como se fosse novo. Quando eu optei por deixar a minha carreira e viver de Carnaval, eu fiz um investimento. Eu nunca pensei na minha segurança, sempre na minha felicidade, isso foi e sempre será fundamental para mim, por mais que o dinheiro seja bacana, a gente nunca lembra como gastou, sempre vamos lembrar dos momentos felizes que ele nos proporcionou”, pontua.

Com a filosofia de que para existir basta respirar, mas para viver tem que se arriscar, o Carnavalesco, não cansa de dizer que apostou todas as suas fichas no maior espetáculo da terra pelo prazer. “Eu adoro fazer o que eu faço, sempre estou me alimentando de coisas que possam enriquecer ainda mais o meu trabalho. Vou ao teatro, por exemplo, e fico encantado com os cenários, figurinos, enfim, penso onde aquilo pode ser aplicado efetivamente no Carnaval, sim, eu funciono 365 dias do ano”, admite, em meio a uma gargalhada.

Com enredo autoral Murilo Lobo desenvolve o projeto “Coragem! Somos nós que fazemos a vida”, buscando o título do Grupo de Acesso 2, em 2019. “O Carnavalesco sempre tem um enredo na cabeça, mas deve saber o momento certo de desenvolver. A ideia inicial era falar sobre medo, mas nesse momento os medos do homem, não caberiam no momento em que a escola vive, sendo assim, inverti isso para a coragem. Ou seja, a escola enfrentou uma desilusão grande depois de não conquistar uma vaga no grupo de acesso 1 e precisava de coragem para se fortalecer e seguir em frente”, comenta.

Dando uma pincelada sobre o que vamos ver na passarela do samba na segunda-feira, dia 04 de março de 2019, o Carnavalesco adianta. “Esse enredo fará uma passagem desde o princípio das civilizações, quando o homem risca o chão e transforma em fogo até ele descobrir que tem que ter coragem para vencer os desafios da vida. Sempre com muita valentia e unindo gestos que transformaram a história da humanidade”, relata.

Empolgado com o desfile que promete sacudir o Anhembi, Murilo Lobo também prestará uma homenagem a grandes nomes do cenário mundial, que com coragem venceram suas adversidades. “O papel da mulher na nossa sociedade é um dos trechos que iremos destacar, Joana D’Arc é um dos exemplos. Sem esquecer dos grandes nomes que fazem parte da história, Gandhi, Mandela, Martin Luther King, Van Gogh e Beethoven são algumas personalidades que serão descritas e que representam muita coragem”, descreve o Carnavalesco.

Acostumado com as transformações Murilo Lobo acredita que o respeito ao investimento e a criatividade pode ser a chave do sucesso de uma agremiação. “Eu já passei pelo grupo especial, fui para o acesso 01 e agora estou no acesso 02, e analisando friamente, não acredito em projetos que não possam ser repaginados. Eu como Carnavalesco preciso criar algo que a escola tem o dever de olhar e dar um feedback positivo ou negativo, Carnaval é trabalho em conjunto, isso só nos faz crescer e aprender cada dia mais. Olho para trás e tenho certeza, eu estou no lugar onde eu sempre quis estar, eu não me arrependo de nada”, arremata com alegria.