Felipe Araújo

Oito escolas fecharam oficialmente o Carnaval de São Paulo

Sexta-feira foi dia de festa para a Milênio, Barroca, Pérola, Império, Rosas, Dragões e a campeã Mancha Verde

09/03/2019 Redação Liga SP - Foto: Felipe Araújo

Em clima de comemoração oito escolas fecharam oficialmente o Carnaval de São Paulo nesta sexta-feira (08), Estrela do Terceiro Milênio, Barroca Zona Sul, Pérola Negra, Império de Casa Verde, Rosas de Ouro, Dragões da Real e a campeã Mancha Verde.

Quem abriu a noite foi a Milênio, campeã do Grupo de Acesso 2. Acompanhada de seu presidente de honra, o vereador Milton Leite, a agremiação contagiou as arquibancadas cantando a coragem. “A escola se apresentou muito bem e o resultado foi o título, hoje é dia de extravasar e colocar toda nossa felicidade para fora”, afirmou Milton.

A vice-campeã, Barroca Zona Sul, comemorou muito o seu retorno ao Grupo Especial do Carnaval de São Paulo. O presidente Ewerton Sampaio, mais conhecido como Cebolinha, não escondeu a satisfação pela conquista. “Quero parabenizar todas as escolas que integram a Liga SP, principalmente as que hoje junto com a Barroca cruzaram a passarela do samba. Mas do que isso, preciso agradecer a minha comunidade que não mediu esforços, afinal, a competição está cada dia mais acirrada e nos hoje integramos as 14 melhores escolas de samba de São Paulo. Será uma honra abrir o Carnaval em 2020”, comemorou o presidente.

Em clima de muita descontração, a campeão do Grupo de Acesso 1, Pérola Negra, também celebrou muito o seu retorno ao Grupo Especial do Carnaval de São Paulo, como transmitiu em suas palavras a presidente Sheila Mônaco. “Você não tem noção do prazer que é estar aqui de volta. Preciso agradecer demais a todos que acreditaram no nosso trabalho e jamais desistiram da Pérola. Meu agradecimento é geral para todos que caminharam lado a lado comigo, mas em especial ao meu Carnavalesco, Anselmo Brito, obrigada por sua garra e determinação”, finalizou Sheila.

Ostentando a quinta posição, a Império de Casa Verde foi a quarta escola da noite a cruzar a faixa amarela, completando em 2019, quinze anos como Mestre de Bateria da agremiação, Zoinho agradeceu a oportunidade por defender as cores da escola e em especial pela confiança que toda diretoria deposita em seu trabalho. “Pra mim é uma honra integrar esse projeto há tantos anos, nosso trabalho com a bateria é muito solido e de muita responsabilidade. Sabemos da disputa que hoje o Carnaval de São Paulo enfrenta, se perde por um decimo, e precisamos respeitar demais o trabalho de nossas coirmãs, que é sério como o nosso”, argumentou o Mestre.

Quarta colocada, a Unidos de Vila Maria, também compareceu em peso com sua comunidade no desfile das campeãs, e o presidente da agremiação Adilson José agradeceu o empenho de todos que amam verdadeiramente a Vila. “Vamos caminhar sonhando com o título, esse nosso quarto lugar foi apenas um aperitivo, em 2020, tenho certeza que teremos muito mais êxito. Acreditem a Vila Maria está mais viva do que nunca e vai voltar cada dia mais serena e convicta do que pode fazer dentro dessa passarela do samba”, finalizou emocionado.

Terceira colocada no desfile oficial, a Sociedade Rosas de Ouro também se apresentou com muito entusiasmo, como traduziu em suas palavras a presidente da agremiação Angelina Basílio. “Esse enredo foi a coroação de um trabalho diferente e que ninguém acreditava, nos trouxemos os armênios para o samba, hoje desfilou conosco mais de 600, todos abraçaram o nosso enredo e acreditaram no projeto”, reafirmou a presidente.

Ciente de que a Dragões da Real cumpriu efetivamente o seu papel, o Carnavalesco da agremiação, Mauro Quintaes, declara que a escola por pouco não conquistou o tão sonhado título, mas que está batendo na trave. “Foi um vice-campeonato com muita honra e muito prazer, perdi para o Jorge Freitas meu amigo pessoal e para uma agremiação que assim como nos, também sonhava com a conquista do primeiro título, acho que estamos todos juntos e misturados, Carnaval é isso”, brincou Mauro.

Conquistando o seu primeiro título no Grupo Especial do Carnaval de São Paulo, a Mancha Verde era pura alegria e agradecimento no desfile das campeãs, e o presidente Paulo Serdan, fez questão em expressar esse sentimento no momento em que os microfones foram abertos. “Nosso momento é de agradecer, agradecer primeiro o nosso povo, que em todos os momentos acreditou e foi determinante, sem extinção. Tenho que agradecer e dizer que tenho muito orgulho em ter Viviane Araújo como nossa rainha, cargo que ela ocupa a muitos anos e defende com muito afinco. E por fim, agradecer o nosso Carnavalesco, o que dizer do Jorge Freitas, arriscamos e o resultado final está aí, houve dedicação, empenho e a participação de toda sua família, nossa comunidade também é família e a família do Jorge hoje mais do que nunca é nossa também”, finalizou Paulinho Serdan.

Antes do desfile da Dragões da Real, houve uma confraternização entre os pavilhões da vice-campeã e da campeã e os seus respectivos casals de mestre-sala e porta-bandeira, o que também emocionou muito o público, mostrando que a rivalidade só está depois da faixa amarela!