1 0 0

DIAS PARA O CARNAVAL!

imagem-padrao

Qual é a importância do recuo em desfile de escola de samba?

Para manter cadência e bom andamento do desfile, bateria "estaciona" na avenida, vai para o recuo e deixa o resto da escola passar

05/11/2017 Redação Liga SP - Foto: imagem-padrao

Quem acompanha desfiles de escolas de samba sabe que ele está lá, mas não conhece necessariamente sua função e, mais ainda, sua complexidade. Mas, afinal, para que serve o recuo de uma bateria durante a apresentação de uma agremiação?

A bateria inicia o desfile na meio da escola, normalmente após a ala que vem depois do casal de mestre-sala e porta-bandeira. Porém, manter essa posição até o final da apresentação pode prejudicar as alas que vêm mais ao final, que teriam problemas para acompanhar o samba.

Assim, para manter a cadência e o bom andamento do desfile, a bateria "estaciona" na avenida, vai para o recuo e deixa o resto da escola passar à sua frente. Esse processo, que dura menos de dois minutos, pode definir o sucesso ou fracasso de uma apresentação.

São comuns três tipos de entradas. Na primeira, lateral, os ritmistas chegam à frente do espaço e giram 90º para a direita, indo de frente ao recuo. Lá chegando, dão meia-volta e ficam de frente para a avenida enquanto a escola segue.

No recuo de ré, a bateria passa o espaço determinado e, ao sinal do mestre, estaciona andando para trás - como um carro entrando em uma vaga a 90º. Já o recuo de frente é praticamente da mesma forma, só que a entrada começa antes do espaço chegar - novamente, como um carro entrando de frente em uma vaga.

Neste último caso, o segredo é começar o desfile com a bateria invertida (instrumentos mais pesados na frente e os mais leves atrás). Desta forma, na hora de deixar o recuo os ritmistas já estão em suas posições tradicionais (mais leves na frente). Como na entrada, um retorno mal feito pode custar pontos preciosos nos quesitos harmonia e evolução.

Outro detalhe importante é para quem está imediatamente à frente e atrás da bateria na hora do recuo. A ala à frente tem que reduzir um pouco a velocidade para não abrir nenhum buraco na avenida. Já quem vem atrás deve ocupar o espaço deixado pelos ritmistas de forma ágil - por esse motivo é comum as escolas utilizarem passistas nesta posição.