7 2 ,

DIAS PARA O CARNAVAL!

Daniella Strachino

Sete escolas já gravaram seu samba-enredo 2019

Agremiações iniciam a gravação de sua trilha sonora para o próximo Carnaval

01/10/2018 Redação Liga SP - Foto: Daniella Strachino


A frase “tudo novo, de novo”, está mais viva do que nunca no Carnaval de São Paulo, afinal, nesta sexta-feira (28), foi dada largada para a gravação do CD Sambas de Enredo 2019, e até ontem, sete escolas já colocaram som e voz na trilha sonora que irá embalar os seus respectivos desfiles.

Atual bicampeã, a Acadêmicos do Tatuapé, foi a primeira escola a entrar no estúdio totalmente ambientado com luzes, telão e acústica perfeita para iniciar esse que é um dos momentos mais emocionantes e aguardados pelos sambistas. O interprete da Tatuapé, Celsinho Mody, não conteve sua alegria. “O samba é uma arte que vem da alma, que nasce da naturalidade do povo brasileiro, então gravar “ao vivo” é sempre muito melhor, quem está em casa tem a sensação real do que é a bateria tocando samba. Minha felicidade é imensa saber que São Paulo chegou nesse nível”, descreve.

A Gaviões da Fiel, abriu as gravações na manhã de sábado (29), a escola que reedita o enredo de 1994, terá pelo trigésimo sexto ano Ernesto Teixeira no carro de som. O interprete se emocionou ao falar sobre a gravação de mais um samba com as cores da agremiação. “Estou muito feliz, após 25 anos interpreto esse samba novamente e dessa vez em um formato totalmente inovador, ao vivo, não tenho palavras”, ressaltou.

Após 25 anos, a Colorado do Brás retorna ao Grupo Especial e o interprete Chitão Martins terá pela primeira vez a sua voz imprimida na elite do Carnaval de São Paulo como interprete oficial, o que é motivo de grande alegria. “E uma realização pessoal minha, um sonho que eu tinha em participar da gravação do CD ao vivo, realmente foi emocionante ver a comunidade cantando com uma garra que eu nunca tinha visto antes, tenho certeza que essa emoção será vista na avenida em nosso desfile”, reforça.

Integrando pela primeira vez o Grupo de Acesso 1, a Mocidade Unida da Mooca considera a gravação do CD um dos marcos do Carnaval. Para o interprete Guilherme Cruz, a emoção e a ansiedade da comunidade estava a flor da pele durante as quase duas horas de gravação. “Esse formado é o melhor que nos sambistas poderíamos ter. Um CD de Carnaval para quem acompanha o evento é parte fundamental da festa. Tem muita gente que coleciona, guarda, é uma recordação que fica daquele Carnaval. E a possibilidade de aproximar a comunidade, ter um coral, a bateria imprimir as suas características, o seu ritmo, é indescritível. O estúdio tem uma precisam, mas nada se compara ao vivo, e uma previa da emoção que sentiremos na avenida”.

Abrindo o domingo de gravações, a Barroca Zona Sul, tem pelo segundo ano o interprete carioca, Pixulé. Se dividindo entre o eixo Rio-São Paulo o cantor admite que essa inovação tecnológica ele nunca tinha participado. “Eu acho que essa gravação é muito importante para o mundo do samba, e para toda a comunidade do mundo sambístico. É maravilhoso sentir o calor humano da comunidade, a própria escola está dentro desse CD, não tem como não se comover”, comemora.

A Mancha Verde foi a segunda escola desse domingo a gravar o seu samba-enredo. Acostumado a vários formatos de gravação, o interprete da agremiação que a oito anos defende as cores verde e branca, Fredy Vianna, garante que esse formato é o mais confortável. “É uma coisa fantástica, é um momento único, muito especial, sinceramente esse é o formato de gravação que mais gosto. Temos aqui harmonia, baianas, comissão de frente, diretoria e até presidente. E eu vejo a Mancha Verde num momento lindo, juro antes de começar a gravar já estou arrepiado”, conclui.

Homenageando Arlindo Cruz, a X9 Paulistana fechou as gravações deste domingo com um grito de guerra que emocionou a todos que estavam na Fábrica do Samba “Força Arlindo”. Veterano no mundo do samba, o interprete da agremiação, Darlan Alves ainda sente um certo frio na barriga ao subir no palco. “Por mais experiência que eu tenha ainda pinta um nervosismo, aqui é muito próximo do ensaio, eu sinto a pulsação da bateria, eu adoro esse clima, isso é vida”, argumenta.

O músico, Arlindinho, filho de Arlindo Cruz integrou o coral da comunidade na gravação da X9, e fez questão de elogiar a estrutura que ele não conhecia. “O que aconteceu hoje aqui, só o amor explica, o que eu vi nessa gravação é impressionante, uma tecnologia de ponta, modernidade em todos os setores, eu estou emocionado e muito feliz. O que vale são flores em vida, e meu pai está recebendo isso pela X9, e pelo Carnaval de São Paulo”, comenta.

De forma inovadora, a Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo, sai na frente mais uma vez, e pelo segundo ano aposta em um trabalho de qualidade e respeito com os profissionais e todos aqueles que amam o Carnaval de São Paulo.

Ao todo, 50 microfones seguem à disposição das 22 agremiações que integram o Grupo Especial e de Acesso 1, até o dia 08 de outubro, data em que serão finalizadas as gravações. Neste período, mas de 120 representantes de cada comunidade passarão pela Fábrica do Samba, totalizando um número superior a 2.600 pessoas. Só na parte técnica, mas de 20 profissionais estão envolvidos, além de um painel de LED em alta resolução com 60 metros quadrados. Sem esquecer do cuidado com a iluminação, preparada cuidadosamente com as cores de cada escola de samba.

Hoje tem mais, como já virou tradição no Carnaval de São Paulo, tem transmissão ao vivo pelo Youtube e pelo Facebook da Liga SP.
A Tom Maior e a Dragões da Real entram em estúdio a partir das 20h.